Compartilhe Esta Postagem

O Novo Testamento, Jesus e Michael Jackson


Recentemente o mais antigo exemplar do Novo Testamento, datado do ano 350 d.C., foi disponibilizado na internet. O que ocorreu com os originais escritos entre os anos 55 e 99 d.C. e com as cópias anteriores ao ano 350 d.C.? Qual a confiabilidade de uma cópia cujo original foi compilado em torno de 270 anos antes e perdido nesse meio-tempo?

A História registra que em 303 d.C. o imperador romano Dioclécio iniciou uma perseguição aos cristãos ordenando que todos os exemplares de documentos da nova religião fossem queimados. Ele havia matado tantas pessoas e destruído tantos documentos que, quando o movimento cristão cessou por um tempo, ele criou uma medalha onde estava gravado: “A religião cristã está destruída e o culto aos deuses restaurado”. A dificuldade da época de produção de documentos, geralmente confeccionados a partir da escrita manual em grandes rolos de peles de animais (pergaminhos) e a baixa tiragem, devido ao alto índice de analfabetismo, tornou a eliminação dos documentos cristãos uma tarefa relativamente fácil. Mas não demorou muito, Constantino subiu ao poder declarando o cristianismo a religião oficial do Império Romano. Com o passar dos anos os livros e cartas do Novo Testamento foram reaparecendo no seio do povo, porém com autenticidade duvidosa. Surgiram muitas escrituras contando histórias não menos mirabolantes que as conhecidas hoje, entre as quais as do menino Jesus ressuscitando passarinhos e assassinando pessoas malvadas com seus poderes sobrenaturais. Isso levou os líderes eclesiásticos a uma maratona de concílios para estabelecer quais textos seriam autênticos ou menos adulterados. Assim, no ano de 397 d.C., no terceiro concílio eclesiástico realizado na cidade de Cartago, foram escolhidos 27 livros e cartas considerados inspirados por Deus – do ponto de vista dos líderes cristãos da época – os quais receberam o título de Novo Testamento.

Mesmo sendo triste e trágica, a perseguição de 303 d.C. concedeu uma grande oportunidade para os cristãos enriquecerem os novos textos com informações atualizadas, tornando o cristianismo mais 'profético' e paganizado, atraente o suficiente para arrebanhar multidões de outras religiões e mergulhar a humanidade em sua vingança, a Era das Trevas, como ficou conhecida a Idade Média.

Parte do Codex Sinaiticus -
A Bíblia mais antiga do mundo,
datada de 350 d.C.
Fato interessante é encontrado no livro de Apocalipse: Seu autor, temendo adulterações, as quais eram comuns no mundo antigo, deixou uma nota ao final amaldiçoando quem adicionasse ou omitisse parte de seu conteúdo (Apocalipse 22. 18 e 19), uma forma não muito eficaz de inibir edições, pois são encontradas muitas divergências quando comparadas cópias deste livro, assim como de todo o Novo Testamento. Um exemplo é a frase “lavaram suas vestes no sangue do Cordeiro” (Apocalipse 7.14), as palavras “sangue do Cordeiro” não são encontradas nas cópias mais antigas. Outro exemplo é a frase “dura coisa te é recalcitrar contra os aguilhões” (Atos 26.14), omitida nas cópias mais antigas. Edições como estas, entre muitas outras não citadas aqui, demonstram a infidelidade do Novo Testamento aos originais. Profecias como o sítio romano à Jerusalém em 70 d.C. (Lucas 23.28) e a destruição do templo (Mateus 24.2), foram provavelmente adicionadas aos originais no decorrer dos 4 primeiros séculos. Tais 'previsões' impressionam multidões de fiéis de boa consciência, mas ignorantes acerca do ambiente fora de controle onde foram elaborados e reeditados os textos bíblicos, num mundo sem leis como as de copyright que protegem obras literárias nos dias de hoje.

Imagine se todos os registros sobre Michael Jackson fossem perdidos e 300 anos depois algumas pessoas resolvessem escrever biografias com base na memória popular de gente que nasceu centenas de anos depois da sua morte. Não seria de se admirar se o passo de dança moonwalk fosse descrito como uma ação sobrenatural o arrastando para trás mesmo quando desejava andar normal. Suas mudanças de cor e aparência seriam descritas como 'transfiguração divina'. Os clipes com efeitos especiais, há muito perdidos, seriam relembrados pela tradição oral como acontecimentos reais de invisibilidade, transformações e teleportações. Frases célebres do século XX seriam dedicadas a ele. Diriam que não envelhecia e amava muito as criancinhas, mas foi acusado injustamente de pedofilia e morto mediante traição de seu médico particular conforme havia previsto. Imagine simpatizantes afirmando, depois de mais de 1700 anos de disseminação de tais biografias, que tudo seria verdade pelo fato de arqueólogos terem confirmado a existência das cidades, localidades e líderes políticos descritos nestes livros.

Ver também Por que Jesus Não Voltará (O Equívoco de Jesus) , Obras Maiores Que as Minhas: Profecia Não Cumprida de Jesus e Jesus Existiu? (O Jesus Histórico).

11 comments:

  1. Anonymous10:08 PM

    AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH ENTÃO COMAMOS E BEBAMOS QUE AMANHÃ MORREREMOS.

    É ISSO O QUE O DIABO QUER. TIRAR A NOSSA ESPERANÇA. PARAR DE LUTAR, DE SE ESFORÇAR, QUE NOSSO ESFORÇO NÃO TEM RECOMPENSA...

    MAS DEUS NOS EXORTA A LUTAR. E ELE MESMO DIZ QUE NOSSO ESFORÇO TEM RECOMPENSA. :)

    ReplyDelete
  2. Anonymous11:35 PM

    resposta de andre o que o autor postou no texto acima e pura verdade esta mesmo todo corrompido o novo testamento muitas closas . Mas mesmo assim eu aida acho que ele tem muita utilidade desde que esaminemos tudo e retemos o bem . como reter o so o bem do novo testamento fazendo como os bereanos conferindo com o velho testamento ou escrituras como disse jesus esaminais as escrituras porque nelas contem a vida eterna ou seja na epoca de jesus nao tinha novo testamento as escrituras que ele se referia era o chamado velho testamento
    por isso que os chamados crentes se inrosca com voces eles se bazeiam apenas no novotestamento . contrariando o que jesus disse :esaminais o velho testamento.

    ReplyDelete
  3. Anonymous7:58 AM

    é isso msm, os cristãos so querem a recompensa, por terem o livre arbitrio, mas obedecem as regras da biblia ¬¬
    Jefferson

    ReplyDelete
  4. Anonymous2:28 PM

    Poderia sumi tudo que ja descreveram sobre os milagre de Jesus, mais ele veio certo?
    Ele morreu certo?
    ele resucitou ao terceiro dia certo?
    E sua morte salvou e vai continuar a salvae do inferno
    E o que importa...amem

    ReplyDelete
  5. Isso é a mais pura mentira. Se você é DESinformado, não publique lixo no seu blog. Leia sobre os manuscritos do mar morto, que datam séculos antes de Cristo. Qualquer leigo sabe disso. Não seja tendencioso e não aja de má fé. Mentir deveria dar cadeia.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Andreas, entendo sua indignação, mas você está equivocado. Os manuscritos do mar morto são do Velho Testamento, observe que trato do NT. Grato por sua participação.

      Delete
    2. Não tenha tanta certeza assim Alexandre.

      José O'Callahan, um paleógrafo jesuita espanhol, assunto de manchete em 18.03.72 identificou um fragmento manuscrito de Qumran (mar morto) como um pedaço do evangelho de Marcos datado de 50 AC e 50 DC dentro do espaço de tempo estabelecido para as obras do NT. Mais tarde, posteriormente identificou mais nove fragmentos pertencentes a um Evangelho, Atos e algumas epístolas com datações em torno de 70 DC.

      E vc está bem equivocado sobre a preservação dos documentos. Ou como vc ou alguém, provam que em 303 Dioclécio destruiu todos os documentos cristãos??
      Pelo contrário, 88 manuscristos de papiro inquestionáveis já foram encontrados dentro dos primeiros 200 anos após o NT ser escrito.
      Alguns importantes:
      Fragmento John Rylands é um dos papiros de Códices mais antigos de trecho do NT datado em torno de 117-138.
      Papiros Bodmer da Biblioteca de Literatura Mundial em Culagny - Suiça datando em torno de 200.
      Papiros Chester Beatty datados de 250.

      Além das citações antigas dos pais da Igreja do final do séc. I em diante; há quase 20 mil citações.
      Justino Martir 100-165.
      Clemente de Alexandria 155-220.
      Origenes 185-254
      Tertuliano 160-220.
      Inácio 110
      Policarpo 110-140
      O Didaquê 120-150.

      Delete
    3. Oi Cícero.
      Estive pesquisando sua fonte e o que a comunidade arqueológica fala sobre ele não é bom, de ingênuo a hipócrita. Inclusive ele alega também ter encontrado fragmentos de Mateus. O biblicista alemão Carsten Peter Thiede também alega ter provado que não há fragmentos de Marcos onde sua fonte diz ter encontrado. Todas as pesquisas que fiz com bastante propriedade não citam qualquer fragmento do NT em Qumran, incluindo artigo do Frei Ildo Perond, professor da PUCPR. Quanto aos fragmentos do NT antes de 350 d.C. o próprio título diz: "fragmento". Os quais remontam menos de 10% de todo o NT e foram escritos entre 100 e 200 anos após os originais. O fragmento de John Rylands, por exemplo, resume-se a 3 versículos, o que isso pode provar acerca da autenticidade dos 7954 outros versículos? Sobre as citações dos pais da igreja, devo concordar que algumas são verídicas, porém em momento algum disse que o NT não existiu antes de 350, o que parece um "enchimento de linguiça" da sua parte (com todo o respeito). O fato de somente no ano de 350 aparecer os outros 90% do NT, a História ter registrado uma grande eliminação de cópias deste décadas antes e os líderes cristãos precisarem filtrar inúmeras cópias consideradas nocivas, é levado em consideração por aqueles que não podem perder tempo se dedicando a uma crença que, embora popular, não inspira confiança em uma minoria mais crítica.
      De lado as diferenças, sempre é um prazer vê-lo aqui.

      Delete
    4. Caro Alexandre,

      Obviamente diante dessa descoberta notável, os críticos se levantaram causando alvoroço.
      O New York Times relatou: "Se a teoria de O'Callahan for aceita, isso provará que pelo menos um dos evangelhos (Marcos) foi escrito apenas alguns anos após a morte de Jesus".
      A United Press International observou que as conclusões do jesuíta significavam que "as pessoas mais próximas dos eventos - os seguidores originais de Jesus - consideravam o registro de Marcos preciso e confiável, não um mito, mas verdadeira história".
      A revista Time citou um teólogo que afirmou que se ele estiver correto, "podem fazer uma fogueira com as 70 toneladas de indigesta erudição alemã" .

      Por causa da natureza fragmentária dos munuscritos é dificil ser dogmático quanto às identificações. Mas se a identificação de um único desses fragmentos como parte de NT é válida, então Marcos deve ter sido escrito durante a vida dos apóstolos e contemporâneos dos eventos. Sendo a data anterior a 50 DC não permitiria acréscimos e modificações mitológicas aos registros. Eles teriam que ser aceitos como históricos.
      Nenhuma data do séc. I permite tempo para mitos ou lendas entrarem nas histórias de Jesus. O desenvolvimento de lendas leva pelo menos duas gerações segundo os estudiosos da área.

      Ainda que deixemos de lado as afirmações controvertidas de O'Callahan, a evidência cumulativa coloca o NT no séc. I durante a vida das testemunhas oculares. Até mesmo críticos radicais como John A.T.Robinson que disseminou o movimento "morte de Deus" coloca os 4 evangelhos dentro do séc. I.
      O fragmento de John Rylands, contém 5 versículos de João achado no Egito, essa porção tende a confirmar que o evangelho foi escrito antes do final do séc. I que segundo a tradição, foi na Asia Menor o original.

      Como vc mesmo admite: "porém em momento algum disse que o NT não existiu antes de 350,..."
      "O fato de somente no ano de 350 aparecer os outros 90% do NT e a História ter registrado uma grande eliminação deste décadas antes e os cristãos precisarem filtrar cópias mirabolantes,"

      Por isso a realização de vários Concílios, desde o 1º de Jerusalém registrado em Atos.
      O concilio de Nicéia foi um divisor. A Igreja antes de 313 enfrentava duras perseguições não permitindo espaço para pesquisa, reflexão, conhecimento. Logo que possivel, pouco tempo se passou antes de haver reconhecimento de todos os livros canônicos pelos concilios de Hipona e Cartago.
      Os critérios dos "pais" eram rígidos e factuais concernentes as atividades de Cristo e poder transformador de Deus.

      Se não fosse provado que um livro era de autoridade de um apóstolo e sua natureza profética ele era terminantemente rejeitado, por mais que fosse edificante ou popular entre os fiéis (apócrifo). Alguns livros que mais tarde foram incluidos no cânon tiveram que aguardar um tempo considerável antes de obter reconhecimento. Foi um processo gradual, assim como a ciência se desenvolve gradualmente ainda hoje.

      Além disso, por meio de estudo comparativo intensivo os teólogos eliminaram cuidadosamente erros e adições de copistas "bem-intencionados" e discerniram quais manuscritos antigos são mais precisos. Questões textuais permanecem, mas o leitor atual e principalmente os que lêem o NT grego, podem ter certeza de que o texto está extremamente próximo dos autógrafos originais.

      Abçs.

      Delete
    5. Se nada mais conclusivo podemos adicionar a esta questão, dou-me por satisfeito.

      Delete
  6. Como é bom ler pessoas que entendem da história sem estarem inebriados e tapados pela ignorância que a religião impõe, impedindo-os que cresçam ou abram os olhos às verdades reveladas que a ciência moderna e as pesquisas em sua neutralidade nos esclarecem.
    Joseph Goebbels, apesar da parceria abominável com Hitler no nazismo escreveu algo precioso que não se pode tirar o mérito mas, reforça o sentido do que foi analisado nesse post:

    De tanto repetir uma mentira, ela acaba se transformando em verdade”.

    ReplyDelete